terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Fobia


Nesse quarto escuro
Onde habitam meus monstros
Me lembro de coisas
E me recordo do abismo
Queria saber
Se sorrirei novamente
Se as águas profundas
Se dissiparão em minha mente


Penso em coisas insanas
Penso no nada que lampeja
Penso na morte errante
Penso no mal que me espreita
E por fim,
Penso na crueldade do ser humano


E a doença que me cerca é a herança que me negas
A escuridão me persegue e o vazio me cega
O inútil labra enquanto gritos me seguem

Espiritos me sussurram
"sempre perco o rumo, sempre caio na estrada"
Liberdade será a salvação
De um espírito calejado pela história

Aminésia eterna
"eu vendo lembranças"
Agonia em viver a realidade
Em saber a verdade
Em sentir a mentira
Perdemos a fúria
E a íra
O nexo e a razão
E a razão não falha
Razão é vida
É morte, é tudo

(foto de Heliz)

Um comentário:

Me Morte disse...

Não poderia ter deixado tema mais apropriado, Fobia. Um sentimento tão depressivo que as vezes nos come por inteiro. Boa estreia. Espero que goste da foto.
Beijos