domingo, 28 de setembro de 2008

Entre sangue e perdão - O Cabeleira


-

Salve o Cabeleira camará!
Triste o seu destino assim
errou sem o direito de lutar
graças a crueldade de Joaquim.

Salve a quem tinha coração
foi separado da mocinha Luiza
e da proteção da mãe querida
que morreu pedindo perdão.


Lembro-me que quase sem vida
sua mãe, ao vê-lo morrer,caia aflita...
escutando Cabeleira,que gritava aos prantos:
“Adeus! minha mãezinha querida...”

Por Emerson Sarmento

4 comentários:

Karolla disse...

Ameii esse,,,,,,,

:*

Me Morte disse...

Qdo penso que conheço vc chega com surpresas! Muito bom Émerson! Tu é muito eclético! Adorei!

Emerson Sarmento disse...

-

Valeeu Me.

Beijaoo.

Ana Kaya disse...

Xerosu, que negócio é este agora? que texto louco.
mas vc é louco ahahahah o que a gente podia esperar? só maravilhas mesmo, como disse a Me, vc é uma caixinha de Pandora.
Xeiros arretadossssssssss