quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A ânsia


A ânsia



Como vômito saem as palavras,

passeiam por minhas vísceras,

até que me fazem suar, lavando e levando,

num embrulho o nojo, o rancor

Vêm pulsantes, cavalgando

dentro, por, entre

insistentes, em vão, tento contê-las

subitamente, pulam, escapam-me

líquidas, gosmentas

de tempos, em momentos

são involuntárias, não as domino,

quando querem

saem!


Angel Ilanah

Mais poesias aqui

Um comentário:

Me Morte disse...

Mais um talento no blog! Muito boa estreia! Seja bem vinda, teu poema tem a beleza exata da expectativa.
beijos