terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A DANÇA DE SALOMÉ






















O sabor do fruto comido à noite
Tem algo de inebriante.
O jogo entre a luz e a sombra
É como o espelho da alma.
A paixão é a pena que escreve o enredo da estória
E a felicidade é triste,
Pois é triste ser feliz.
O amor dói
E o sono é o conforto temporário.
Meus sonhos não me deixam dormir.
Sonho como uma noite de verão!
O dia é a noite de uma estrela só
E a noite é o dia dos que sonham.
Não tenho religião.
O herói é filho dos deuses!
Deus criou a loucura
Pra brincar de São João
Perdendo a cabeça num prato
Na dança de Salomé.
Vamos perder a cabeça!
E brincar de esconde-esconde!
Na noite de São Nicolau
Ressuscitaremos ao terceiro dia!



Marcelo Farias - Ultramodernidade. Ilustração: Salomé - John Coulthart.

2 comentários:

Me Morte disse...

Muito bom! Todo dosado na medida certa do talento. Parabéns!

Inominável Ser disse...

Ressureição ao terceiro dia, ritmo de novíssima vida em meio ao grande escorrer de sangue diário... Versos de estrondosos toques nos elementos das desilusões e ilusões... Versos fortes, poderosos em todas as suas expansões...