segunda-feira, 22 de junho de 2009

LUTO ETERNO






LUTO ETERNO

Oh! Viúvo que já provou ardor pleno
Mas não viveu o sagrado matrimônio.
Bebeu o mais diviníssimo veneno
Amando um anjo, lúgubre demônio.




Pelo demônio, quanto ardor lascivo!
Quantos desejos, quantos sacrifícios,
Quanto amor, quanto amor, quantos suplícios!
E hoje nem sei quem sou e nem se estou vivo!




Por isto, converti-me em rubro Luto,
Comecei a clamar pela bela Morte
E a sentir medo eterno de meu Sonho.




Do Sonho, o pesadelo mais tristonho...
Da Morte, o servo mais mórbido e forte...
Do Luto, nobre e virgem prostituto!






Rommel Werneck









Blog Poesia Retrô, a poesia de sempre:









Entrevista com Mariângela Padilha ( Me Morte):







I E-BOOK POESIA RETRÔ, QUER PARTICIPAR? AINDA DÁ TEMPO


OU ENTRE EM CONTATO COMIGO






DESAFIO ROLETA RUSSA, PARTICIPE!!




2 comentários:

Me Morte disse...

Poema lindo e forte! Muito bom!
Valeu pela oportunidade da entrevista! Beijão

cris disse...

"E hoje nem sei quem sou e nem se estou vivo!"

Muitas vezes a gente se sente dessa forma, mas a vida eh assim, as vezes estamos por demais felizes, as vezes muito tristes.

Beijinhos, e bela poesia.

Cris.