quinta-feira, 28 de janeiro de 2010


-

Florbela Espanca

Flor és tão bela
que nem a primavera
poderá te espancar.

O teu amor é uma quimera
que iludida espera
a aurora que falta chegar.

Ardes no peito teu
de um amor ateu
amanhecendo nú e vulgar.

Alardes a glória de Prometeu
a primavera cinza que floresceu
do desejo de Pandora que nunca chegará.

Por Emerson Sarmento.

Um comentário: