segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

São coisas da vida

Vida curiosa, penso


Faço do detalhe um peso


o geral dispenso


não que desimporte


é que não conforta


a dor de um é unica



é uno o amor de dois


então, ora pois,


deixe-nos sós, com sorte



pensei em pedra


chamei pau


pensei fogo


choveu granizo


pensei riso


a lágrima rolou



fico indeciso assim


confesso perder o juízo


era preciso, sim

2 comentários:

Me Morte disse...

Lindo!
Cada vez mais eu gosto de ler teus poemas.

Adroaldo Bauer disse...

Feliz fico, Me. Grato.