terça-feira, 8 de outubro de 2013


Saudações Mortais...
Sinto muito, mas muito mesmo não ter escrito por 2 meses seguidos. Acontece que tive alguns imbróglios (sei que ninguém quer saber dos meus problemas, apenas comunico que foram eles os responsáveis por minha ausência).
Não sei se vocês lembram, mas o último texto que escrevi foi uma homenagem (se é que dá para chamar assim) a um menino de 8 anos que faleceu dia 10 de julho desse ano. Depois de amanhã ele completa 3 meses de ausência...
Nunca vi essa criança e nem sabia da existência dela até o dia em que eu li a reportagem de seu atropelamento. A tristeza e a angústia amainaram, mas não foram embora. Se eu parar e pensar na situação começo a chorar como se ele fosse o meu filho.
Para um tipo de situação como essa, somente recorrendo aos Espíritas, mas eles pediram que eu tivesse paciência... coisa quase impossível para uma ariana, que tudo aconteceria no se devido tempo blá, blá, blá...
Parei de procurar o motivo dessa situação, mas penso no menino de forma constante, embora não tanto quanto antes, mas penso. Até um desenho dele eu fiz. Não sei se está certo ou errada, apenas desenhei o que veio à minha mente. Quando eu tiver um tempo terei de ir ao Cemitério da Santa Casa, que é onde ele está, para ver se existe alguma foto dele e, finalmente ver como o Rian era. Aproveitarei para deixar uma lembrancinha...
Por isso não escrevi, pois meus pensamentos estavam voltados para apenas uma direção. Agora, acredito que as coisas estejam melhores.
Sei que esse espaço não é para isso, mas se alguém entender do assunto e puder ajudar de alguma forma, eu ficaria agradecida. Só queria entender o motivo de eu sentir tanta tristeza e falta de uma criança que eu nem tinha consciência de que existia, só isso.
Deixo com vocês o segundo poema que eu fiz para o Rian.
Espero que gostem,


Rian


Hoje faz quinze dias que nos deixaste

por que fizeste isso?

A dor da saudade

é imensa no peito

A certeza de que nunca mais

estarás aqui é horrível

Como viver dia após dia

Sem o teu sorriso?

Sem a tua voz?

Uma parte de mim

também foi embora

quando partiste

E agora fico assim,

sem saber o que fazer

ou para onde ir

Por que relembro o momento

em que nos deixaste?

Por que acompanhei, mesmo de longe e sem entender,

a tua caminhada para o céu?

Por que senti e ainda sinto a dor da perda

se éramos tão distantes?

Porque essa agonia e angústia

em meu peito

sobre algo tão desconexo?


Ajuda-me a entender

o que está acontecendo

Se é a minha mente impressionada

ou se, de alguma forma,

Por vibrarmos na mesma energia

tenhamos nos encontrado

para juntos trilharmos

um caminho traçado

e cumprirmos nossa missão...


24/07/2013


Ósculos e amplexos,
 
 

Um comentário:

Cairo Pereira disse...

Primeiramente, estou feliz em poder te ler, ver teus manuscritos e um pedacinho de ti.

O poema ficou realmente muito bonito, apesar de triste. Mesmo sendo um assunto pungente, vejo certa leveza. Talvez seja o amor que sentes pelo Riam.

Esse amor que tu sentiste por essa criança é um terço do amor que nós deveríamos ter por nosso próximo. A morte é triste, não tem jeito e "o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida." (Apostolo Paulo)

Não fique triste por sentir esse amor que te traz essa saudade inexplicável, amiga. Jesus disse: Deixai vir a mim os pequeninos, e não os impeçais, porque é dos tais o reino de Deus." Ou seja, essa criança está salva e nos braços do Pai. Se Jesus que é o caminho, que morreu na cruz por nós disse isso, por que havemos de ser céticos?

Abraço