quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Contos do Conde Vortak


Apresentação

Meu Nome é Conde Vortak. Sou um vampiro. Uma criatura noturna que vive de sangue. Tenho muitos amigos e alguns são humanos mas eles nunca aparecem quando estou com fome. Eu não os culpo. Afinal, eles poderiam ser meu prato principal.
Adoro viajar. Por isso, eu não tenho um endereço fixo. Eu já morei em castelos, hotéis, parques e até no metrô.
Estou há muito tempo neste mundo. Tempo suficiente para adquirir bastante informação sobre os humanos.
Conheci muitos que queriam dominar o mundo e às vezes, até destruí-lo. O ódio, a ganância e a vaidade, que eles possuíam aguçavam o meu paladar. Por muitas vezes. Estes tipos de humanos foram o meu prato principal. Estes eu os tenho no meu sangue. Foram jantares maravilhosos. Uma iguaria.
Sobre estes jantares... quer dizer... Humanos, são os que irei falar. As histórias que vou contar trarão muita diversão como poderão ver nas linhas que se seguem.
Você é meu convidado.

--------------


Um rosto Inesquecível
por adriano siqueira
siqueira.adriano@gmail.com

- Rosana! Minha querida! Você vai adorar essa novidade!
- Mostra logo Vilma! É aquele produto para passar no rosto?
- Isso mesmo! Eu trouxe da França. A sua amiga que mora no andar de baixo também pediu!
- O que? A Patrícia quer um? Nada disso Vilma! Eu pago por todos os que tiverem com você...
- Não posso! Eu prometi que traria para ela também! Agora mesmo ela está me esperando!
- Por favor Vilma! Eu quero ser a única do Brasil a ter esse produto! Olha.. Eu pago em dobro para ter todos!
- Não seja tão egoísta! Eu sou uma vendedora e eu tenho compromissos com meus clientes! Agora cm licença que vou descer para o apartamento de Patrícia... Eu estou atrasada.
Vilma pega a maleta dos produtos e sai em direção ao apartamento da sua outra cliente, Patrícia.
Rosana estava desesperada. Ela tinha que dar um jeito para que Vilma nunca chegasse ao apartamento de Patrícia. Ela a seguiu e quando Vilma estava nas escadas, Rosana a empurrou mas a maleta abriu bem perto dela. Rosana foi vitima dos produtos que quebraram e atingiram diretamente a sua face.
- Não!! Meu rosto!!!
Vilma estava desacordada pela queda na escada. Aparentemente estava tudo terminado. Ela teve o que merecia mas, como eu sou um vampiro. Eu queria dar uma boa lição nesta humana.
Enquanto ela gritava. Dei uma mordida em seu pescoço. Ela desmaiou.
Enquanto alguns vizinhos socorriam Vilma, eu levei Rosana de volta ao seu apartamento. Ela acordou alguns minutos depois.
- Quem é você?
- Sou um vampiro que gosta de se divertir com pessoas como você!
- O que você fez comigo! Meu rosto!
Rosana corre para um espelho mas ela não consegue se ver.
- Vampiros não podem ser vistos no espelho Rosana.
- Não!!! Não pode ser!! Eu quero ver meu rosto! Eu tenho que ver!!
- Eu posso vê-la Rosana! Sinceramente! Nunca vi uma vampira mais feia em toda a minha vida! Mas não se preocupe! Você agora é uma vampira e será, agora, uma eterna vampira feia!
- Não!!! Não!!!

Deixei a Rosana em seu apartamento, ela gritando muito e depois começou a rir como uma louca.
Acredito que ela tenha aprendido que o egoísmo e a vaidade são defeitos mortais.

2 comentários:

Jully Morgan disse...

Parabens, ótimo conto. Histórias sobre vampiros são ótimas!

Me Morte disse...

Eu também curto bastante histórias de vampiros e o Adriano tem muitas no estilo. Gostei.