domingo, 9 de dezembro de 2007

Subterfúgios da Ilusão


de Thathá

.
Impregnadas lembranças à própria sorte
Que foge a mim e o futuro enegrece
Que tanto subestimam, lhe roubam o norte
À realidade à qual se contrapõe, entristece

Não pude ocultar-me do rarefeito desejo
Saboreio com prazer o infortúnio que te engasga
O gosto perdido do que não senti, teu beijo
Assolo em trevas, escárnios da agonia fantasma!

Nunca ao alcance, o inverossímel sonho
Alusão ao intrépido amor, não mais existente
Esvanece as lembranças, um ser frio, tristonho

Blasfema a própria vida, constituída incoerente
Petrificada revelo, em meu rosto lasciva palidez
A sonhar o que lhe ocorreu, quando "Era uma vez"!

_________________
frozen kisses


Thamires Nayara.copyright © 2007 proibida cópia ou venda sem o conhecimento do autor."A violação dos direitos autorais é crime"(lei federal 9.610)

Um comentário:

Me Morte disse...

Seu poema mostra a dor das relações mal resolvidas, é como essa rosa atravessada. Muito bom Thatá.