segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

AVE GURIA CHEIA DE GRACAS ( Por: Leandro de Almeida )


Nua, espera que uma prece eu recite
Talvez, por ajoelhár-me à sua frente
Tuas carnes, são o que me põe crente
Que faz com que o caralho meu palpite.

Entre o sim e o não, brincas comigo
Se refere ao meu desejo com pirraças
Me tortura por querer em tuas graças
Mostrar-lhe que sou mais do que amigo.

Ouso, maculár-te com a língua o abdômem
Passeio com a boca o redor do teu umbigo
Lambendo a tua virilha, em fim lhe digo
Te quero mais que amigo, mais que homem.

Em fim, por sobre mim te desfaleces
Agora sim dentro de ti vale minhas preces.

Um comentário:

Me Morte disse...

Caramba!
Lindo!
Libidinoso, tarado e apaixonante!
Adorei. Muito bom.