domingo, 24 de fevereiro de 2008

1° Lugar do Concurso do Vale das Sombras de 2° Aniversário


RITUAL FATAL...de Ana Cristina Kaya (contos)


Era uma pequena vila de pescadores a beira mar. Viviam em pacata felicidade, longe da civilização moderna.
Tinham ainda cultos e rituais antigos, herdados dos antigos ancestrais.
Nesta noite de lua cheia, um vulto destacava-se no alto das pedras do mirante. Usava uma capa negra, que esvoaçava ao vento. Parecia esperar algo ou alguém.
Lá embaixo, na areia da praia, Petra caminhava, alheia ao movimento do festival.
Todos os meses, durante a lua cheia, os aldeões acendiam fogueiras na praia e depois de danças e músicas, deixavam um carneiro amarrado, em oferenda aos antigos Deuses da fertilidade e da abundancia.
Fato era que, ninguém sabia o que acontecia com o carneiro, mas quando o dia amanhecia, ele não estava mais no lugar em que havia sido amarrado.
E a aldeia continuava sua jornada, parindo novos filhos e pescando e plantando tudo que necessitavam para a subsistência diária.
Nesta noite, a lua estava particularmente bonita e brilhante e Petra não resistiu ao impulso de caminhar a beira mar. Era como se estivesse pisando na lua redonda e prateada. Como se andasse no céu.
Todos os habitantes da aldeia, em noites como esta, não saiam de perto das fogueiras e, logo que o festival terminava, entravam em suas casas como se temessem algo desconhecido.
Petra era uma mulher muito teimosa, e não temia a escuridão.
Não ouviu os gritos de seu pai que a alertavam para que não se distanciasse de todos. Continuou caminhando, alheia ao perigo, pensando em sua vida tranqüila e no futuro que a aguardava em breve.
Seu pai havia prometido sua mão, em casamento, muitos anos atrás quando ainda era uma menina. Era este o costume. Petra não amava o seu futuro marido, o achava velho e feio. Mas seria obrigada a aceitar a vontade de seu pai. Era assim que sempre tinha sido. Foi assim com sua mãe, sua avó e todas as mulheres que conhecia.
Mas Petra não aceitava aquela imposição, sempre sonhou em casar-se por amor com um lindo homem, forte e viril.
Caminhava, perdida em seus pensamentos, e não notou que estava sendo observada. Olhos noturnos e vermelhos observavam sua caminhada. Olhos que não perdiam um único movimento. Olhos de admiração.
Petra era muito bela, longos cabelos claros, olhos de um verde quase transparente, um corpo perfeito, pele macia e branca como a neve. Seus lábios muito vermelhos e cheios. Seios fartos.
Muitos homens a desejavam, mas todos sabiam que ela já estava prometida ao Duque Dimaggio, dono das terras onde os aldeões moravam.
Absorta, continuou caminhando pensando no grande amor que nunca teria e no que teria que agüentar o lado daquele velho asqueroso.
Sentou-se na areia, observando o brilho prateado nas ondas que chegavam a praia.
De repente, ela ouviu um ruído as suas costas e virou-se alarmada, quem poderia ser?
Seus olhos encontraram-se com os olhos mais intensos que ela jamais havia visto. Era um belo homem, alto, forte, longos cabelos negros que voavam com o vento. Ela não o conhecia, mas ele era maravilhoso e não parecia perigoso. Estava muito bem vestido, com roupas finas e de corte desconhecido. E usava uma longa capa negra que emprestava uma aparência misteriosa ao todo. Ele a olhava intensamente, ela podia ver o brilho de fogo em seus olhos.
Algo naqueles olhos a atraia, a hipnotizava. Seu coração batia descompassado dentro do peito. Seu peito arfava, o ar entrando nos pulmões em pequenos solavancos.
Quem seria este homem?
Lentamente ele se aproximou de Petra. Sorrindo.
Ela estava paralisada. Suas pernas não conseguiam se mover.
Ele chegou ao lado dela, ainda olhando dentro de seus olhos. Seus braços se abriram e ela caminhou os poucos passos que os separavam e se deixou envolver num longo abraço.
A pele dele era fria, mas seus lábios eram quentes e ele beijou cada milímetro do rosto de Petra. Ela usava uma túnica branca e transparente, a túnica ritual. Não usava mais nada por baixo da túnica. O vento modelava seu corpo embaixo do tecido.
As mãos do estranho iniciaram um passeio por seu corpo deixando-a em brasas. Nunca ninguém a havia tocado daquela forma. Ela era virgem.
Esquecendo-se do perigo e até de quem era, Petra deixou que o estranho a tocasse intimamente. Suas mãos de longos dedos apertaram a maciez dos seios rijos, apertando de uma forma bruta, com ânsia, deixando os bicos duros quase furando a leve túnica.
Desceram pelas costas, pelas nádegas, enquanto continuava beijando sua boca ávida.
Petra nunca havia sentido algo assim em toda sua vida. Ela esqueceu do mundo, do noivo, da família, nada mais importava. Deixou-se levar por aquele estranho homem.
Ele fez com que ela se deitasse na areia e deitou-se ao lado dela, mas numa posição que suas mãos continuaram percorrendo o corpo tremulo. Sua mão gelada levantou a túnica, expondo seu corpo a luz da lua e aos olhos vermelhos que a fitavam com cada vez mais intensidade.
Suas mãos passearam pelas pernas bem torneadas, subindo até as coxas grossas e firmes. Petra gemia baixinho. A mão fria encontrou o ponto quente e úmido entre as pernas dela e ali iniciou carinhos desconhecidos até então. Petra sentiu um dedo penetrando-a, aproveitando-se da lubrificação natural. Um dedo que entrava e saia, rápido, certeiro. O mundo rodou. Petra arqueava os quadris, chorando e rindo, completamente entregue aquele homem maravilhoso.
Os dedos ágeis e molhados da paixão dela, encontraram o ponto certo logo acima de sua entrada lubrificada. Petra gemeu alto, agora implorando para que ele não parasse.
O homem beijava sua boca, com uma língua fria e exploratória enquanto seus dedos a faziam soluçar de paixão.
E no momento que Petra chegava ao clímax, num grito de prazer, o homem misterioso abaixou-se sobre ela e sorriu.
E neste sorriso Petra viu o que a aguardava. Ele não era apenas um homem misterioso, ele era um vampiro.
As presas brancas brilharam ao luar antes de enterrarem-se no pescoço alvo e puro.
Toda sua vida passou diante de seus olhos, seus pais, seus irmãos, sua pequenina casinha e até o seu compromisso com o duque. Ela sabia que não sairia viva dali.
Seu primeiro momento de prazer supremo seria o ultimo. Sua vida se escoava para dentro da boca daquele ser monstruoso.
E num ultimo suspiro ela perguntou:
_ Por que?
_ Você é uma oferenda muito melhor do que os carneiros que me deixam.
E então ela soube que estava sendo sacrificada pelos deuses ancestrais.
Os pais de Petra perceberam que ela não se encontrava ao lado deles durante o antigo ritual. Mas pensaram que ela deveria estar em casa dormindo.
Naquela noite, pela primeira vez, o carneiro amanheceu na praia, intacto.
Mas Petra, ah Petra nunca mais foi encontrada.

5 comentários:

Ana Kaya disse...

Ai, primeiro lugar nos contos. Fala sério, sabe do que mais, eu mereço, ele é lindo mesmo, dá pra ver a cena, dá pra entrar no conto e vivê-lo. Eu adoro o que faço, então não vou ficar com falsas modéstias pra parecer boazinha pra vocês que nem comentam nada do que escrevo aqui, a não ser a Me.
Estou orgulhosa de mim mesma, e daí? Vivaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Ana Kaya disse...

Meeeeeeeeeeeeeeeee, muito obrigada outra vez pela chance e confiança.

Pode sempre contar comigo. Vc sabe disso num é mulher dos negros véus?
Beijão procê.

ociné disse...

Parabéns Ana, realmente merecido!

Tanto que levou tudo, não há o que contestar, mereceu tudo.

Continue, e nós é que seremos os premiados, por podermos receber o seu talento maravilhoso.

Grande beijo!

ThiersR> disse...

Ana muito legal o seu conto. Envolvente, fácil de ler, impactante. Ana Kaya, escreva mais...
Gostei do ritmo, senti a praia, mesmo que desde o início vc avise... É um Vampiro!
Sabemos que é, só Petra n sabia. E então uma noite de prazer vale uma vida?
Ou vale mais buscar os prazeres da vida?

baccios

Ana Kaya disse...

Thiers, se vc gostou do conto, entre em minha web page onde tem muito mais contos mais ou menos no mesmo estilo, alguns não, tem meu livro de contos que ainda não editei, coisa de pobre sabe. Mas um dia ele vai estar nas estantes, se Drácula quiser eheheheh.
Tks.