quarta-feira, 23 de abril de 2008

FANTASMAS




















À Cecília Meireles

Se fores de madrugada,
poderás vê-los bailar:
fantasmas! Ao vão luar!
É só íres ao sótão,
ao quarto das coisas velhas
e olhares pela janela
seu vibrante celebrar
da vida que já se foi
e que nunca mais será.



Marcelo Farias - Para Enrender a Mágica.

Um comentário:

Me Morte disse...

Adoro histórias de fantasmas. Entrar num recinto antigo, fechar os olhos e tentar ouvir as vozes que por ali viveram, ou abrir uma torneira para tentar ouvir vozes de outra dimensão. Teu poema me levou a tantas loucuras!