sexta-feira, 9 de maio de 2008

HERANÇA MALDITA


Dona Amélia estava nas últimas. Suspirava e torcia o rosário nas mãos ossudas e deformadas.
Há oito semanas repousava na cama cheirando a lavanda. As empregadas lavavam várias mudas de roupa por dia, lençóis brancos, camisolas de cambraia de linho bordada em ponto cruz, enxoval vindo de Lisboa nos tempos áureos da fazenda Oliveira.

A pretinha espiava da porta, queria ser a primeira a dar a notícia. A velha não morria e a menina voltava triste para a cozinha.

A cozinheira mexia a canja no caldeirão:-Dona Isaurinha, sua madrinha de hoje não passa, está por um fio, melhor chamar o padre.

- Tanto sofrimento, coitada da dinda, tão boa e caridosa, mal cheguei ela caiu doente.

-Uma pena a senhora ter vindo de tão longe, mal colocou os pés na fazenda e sinhá ficou deste jeito.

- Ela mandou me buscar só para me dar esta herança. Vês este anel? É uma jóia de família, minha boa madrinha quis me entregar em vida, estava tão feliz e animada.

- Já te disse para ir procurar o velho Bento, ele cura toda gente, quem sabe cura sua madrinha?

-Não gosto destas mandingas, sou muito católica, prefiro meus jejuns e novenas.

-Então não venha se queixar que não fez tudo que podia para salvar a pobre sinhá.


Isaura queria ter coragem para ajudar a pobre moribunda. Sentia-se culpada por não fazer esta última tentativa.
Angustiada, decidiu ia ver o tal preto velho que sabia todo tipo reza e garrafada.

Andou ligeiro no passinho apertado, meio corrido, o sol a pino queimando sem dó. Na pressa havia esquecido a sombrinha.

Bateu palmas na frente do barraco e ouviu a voz do velho mandando entrar: - Entre Dona Isaurinha, estava a sua espera.

Isaura sentia-se enojada .Um cômodo acanhado e humilde, o chão de terra batida limpo e o velho muito idoso sentado em um banco baixo.

A imagem de São Benedito e Santo Antônio na mesa tosca cercada de velas conferiam um aspecto mais fúnebre ao lugar: - Vim saber se o senhor pode ajudar a madrinha que está nas últimas

-Posso sim senhora...

-E ela vai ficar boa?

-Vai sim senhora.

-Estás a brincar ? Não vês que estou desesperada? Ai que má idéia. Mando te surrar até arrancar teu couro.

-Bem vejo que puxou sua madrinha.

-És muito atrevido velho vou me queixar da tua audácia.

-Não carece, vou ensinar o que a senhora precisa. Mas vai depender da sinhazinha ter coragem de fazer o que deve ser feito.

- E o que é? Diga que eu faço, anda logo que não tenho o dia inteiro.

O velho Bento ensinou um feitiço muito simples. Colocar uma raiz forte em uma gamela virgem, cobrir com leite quente e um pouco do sangue da donzela e a doente será curada:

-Que beleza de anel a senhorinha está usando!

- Esta jóia? Tire este olho grande que vale uma fortuna.

-Estou só admirando a beleza da pedra, muito bonita, vá depressa sinhorinha.

A mocinha nem se deu ao trabalho de agradecer o velho. Não notou que ele tinha uma expressão maliciosa e os olhos brilhantes.
Voltou para a casa grande gritando com a cozinheira e providenciando todo o material.

Sabia que quando a velha senhora ficasse sabendo quem a havia curado cairia de amores pela afilhada e a cobriria de ouro e prendas.

Meia noite em ponto foi para o quarto da madrinha.
A raiz de gengibre tinha as formas quase humanas, exatamente como havia sido instruído pelo velho.

No último momento obrigou a cozinheira a servir de companhia:- Dona Isaurinha, a senhorinha tem certeza? Não se deve mexer com estas coisas, eu tenho medo...

-Larga de ser besta que é para a saúde da madrinha. Vamos começar rápido, abra a janela para a lua clarear bem o quarto.

A moribunda gemia baixinho Isaura ajoelhada ao lado da cama, fez um talho fundo na palma da mão esquerda deixando o sangue escorrer na cabaça.

Sentiu uma dor aguda no peito e imaginou que fosse nervoso. Na alcova a velha se mexeu e resmungou o nome da afilhada. Foi a última coisa que Isaura ouviu antes de cair morta aos pés da madrinha.

Dona Amélia deu um longo suspiro e ajeitou o corpo cansado.
A cozinheira correu para amparar a patroa:- Esta deu trabalho sinhá, custou convencer a danada a procurar o velho Bento

- Deixe a defunta aí e vá enterrar o feitiço antes que o leite esfrie, você já sabe o que fazer.


A cozinheira correu para o antigo cemitério de escravos. No canto afastado o preto velho havia cavado um buraco fundo e esperava a gamela:- Desta vez quase não deu tempo. Tive dó da menina.

-Enquanto a malvada tiver parenta para vir fazer troca ela não morre tão cedo.

-Com esta são quatro inocentes, dizem que ela tem mais de cem anos.

-Quatro vezes ela barganhou com a morte. Pensar que até as filhas ela enterrou para ficar aqui tomando conta destas terras. Cruz credo.

A casa grande já estava toda iluminada, as mulheres afobadas tratando da arrumação do velório no salão principal.
Dona Amélia escolheu o melhor vestido para a afilhada. Tirou o anel da mocinha e colocou no próprio dedo, admirando o enorme rubi vermelho sangue.

Tocou com doçura o rosto da morta. Isaura aos trinta e cinco anos, virgem e pobre não tinha família para reclamar a ausência.

Ajeitou os cabelos e pensou nos cinco anos que ainda tinha pela frente.
O dia estava clareando quando o padre chegou do vilarejo acompanhado por várias famílias para rezar as novenas e velar a defunta.


Mais uma desgraça na Fazenda Oliveira.
No povoado diziam que era uma Maldição de Sinhá Amélia.

Ainda que não acreditasse em tais boatos,o bom cristão benzeu-se e rezou uma Salve Rainha antes de apear da carroça.
Isaurinha parecia uma noiva, toda de branco, um buquê de rosas brancas entre as mãos entrelaçadas.
A madrinha em luto pesado ocultava com o véu o frescor e as faces coradas.
Completamente refeita e bem disposta.

2 comentários:

Me Morte disse...

Giselle
Sempre salvando os amigos e deixando nosso blog mais bonito. É uma das que espero ansiosa todo mês e talvez por isso esse adiantado do dia seja tão bem vindo,rss
O Pedro é muito talentoso, adoro os seus contos, acho que como amigo que são, vcs tem isso em comum, o talento.

Carlos Reis disse...

Amiga Giselle...

Conto digno de ser emoldurado....

Parabens....


Beto Reis