sábado, 10 de maio de 2008

ESTORVO


Eu sou o cara que te ilude
Mais uma pedra no caminho
De direções mesmo que mude,
Tu se alinha eu desalinho.

Tenta andar sempre amiúde
E não estragar o sapatinho
Se rebaixando na altitude
Apenas por mais um beijinho.

Se meu carinho te confunde
Afunde-me já nesse teu ninho
E segure às mãos este açude
Rude por se encher sozinho.

Eu sou aquele que ao bom alude
Afim de findar tua fugaz beatitude.

2 comentários:

Me Morte disse...

Engraçado, esse estigma de cão sarnento e vagabundo que vc criou pra sua página já vem impregnado em sua obra. Eu sou apaixonada por seu estilo!

** Gaivota ** disse...

Parabéns Doctor, gostei do seu soneto e olhe nunca fui fã deles... Tvz uma certa implicânia pensar que são do passado. mas Doctor seu soneto erstá muito bom, dá pra tira um Artaud da tumba pra ler.. rs..