quarta-feira, 9 de julho de 2008

Dois contos curtos e um poema

Confissão

Eu tinha uma esposa. Eu a amava.
Nós casamos jovens, e nosso relacionamento era muito apaixonado. Porém, depois de alguns anos, seu fogo apagou.
Ela era linda.
O que eu mais amava em seu corpo eram seus longos cabelos ruivos.
Depois que o fogo apagou, ela se tornou frígida. Não queria mais nada comigo.
Pensei que estava me traindo, portanto mandei seguirem-na.
Nada. Nenhum amante.
Ela simplesmente ficara gelada.
Então a joguei em um incinerador.
Gelada ela não está mais, lhes garanto isso.

Rio de Janeiro
11/10/2007

A diferença entre desejar e receber

Igor estava sentado numa cadeira, em sua faculdade. Essa se localizava próxima a um famoso morro, lar de uma famosa favela, que por sua vez era lar de alguns não tão famosos traficantes. O dia estava quente, a aula estava chata, e Igor estava debruçado numa janela, pensando. Sobre balas.
"Doeria", pensava ele pela milésima e última vez, "tomar um tiro?".
"Pessoas diferentes reagem de maneiras diferentes a um tiro. Talvez, eu poderia tomar um tiro no braço e gritar que nem um louco, ou levar um na cabeça e não sentir tanta dor".
"Claro, idiota, você estaria morto! Como sentiria alguma coisa?".
"Ora, eu não sei! Talvez eu não morresse na hora. Talvez eu ainda sentisse algo".
"Meu Deus, que idiota! Bem, não posso discutir com isso. Você venceu".
"Mas e..." - Só que nesse momento o sinal tocou. O professor e os alunos se foram. Apenas Igor ficou, olhando para fora, os olhos abertos, uma bala em sua testa.
No fim, só ele soube o que sentiu. Ou não.

Rio de Janeiro
29/10/2007


Nosso desejo ocasional

Eu, que da miséria fiz minha história
Avistei-te lá, do outro lado
E fiquei todo enciumado
De quem reparte tua glória

Cobri rápido, a distância entre nós
Falei com você, envergonhado
Olhava curvado, para todo o lado
Como se brilhassem mil sóis

Levou-me para casa, chamando-me de rei
Disse para mim: “Eu te amarei,
Disso pode ter certeza”

Disse eu: “Então eu me libertarei,
Com esse martelo abrirei
Essa sua linda cabeça”.

4 comentários:

Bruxinhachellot disse...

O conto surpreende. O poema satiriza a relação entre os sexos. Um toque de humor negro ao final do poema acaba dando graça ao texto. Muito bem escrito.

Beijos de sol e de lua.

Giselle Sato disse...

Pedro, sempre uma grande surpresa, você é demais menino querido. Um talento maravilhoso e quando penso que já li quase tudo, chega com algo completamente diferente.
Pedro Poeta.

Me Morte disse...

Tres hip hurra!!!
Muito bom Pedro!
Vc veio três vezes melhor,rs

Anônimo disse...

O dia que morrermos taremos sim completos... Estamos mortos pro mundo,por isso usamos makiagem pesada e roupas diferentes e muitos assessorios em forma de protesto a esse mundo profano.
Dark mecky Decay