sábado, 27 de dezembro de 2008

1° lugar Concurso do Vale & Turba Literária



Os Estranhos - Moisés Bentes de Siqueira Cavalcanti
.
.
Tantos pedaços meus
espalhados pelo quarto.
Passado e presente dizem adeus
E saúdam um futuro que já estou farto.

Tão cinza e fria,
a luz que invade a sala.
Sozinho, pois quem mais entenderia
a dor que violenta e cala?

Por que me preocupar?
Eles virão me buscar
E não haverá nada que poderei fazer.
Minhas angustias irão alimentá-los
enquanto desapareço nas profundezas do meu ser.

Dias que vivi ao luar
distorceram meu coração e mente.
Derrubaram a fé no ato de amar
e parece que tudo acabou tão de repente.

Olhe para os meus pés,
por demais feridos da caminhada.
Minhas mãos tão úmidas das marés
que roubam a paz de uma vida já tão cansada.

Por que me lamentar?
Eles vieram me buscar
e não há nada que eu possa fazer.
Minhas súplicas não irão comovê-los,
estou desaparecendo nas profundezas do meu ser.
.
.

2 comentários:

Inominável Ser disse...

Instigante...

Intensamente poderoso...

Comovente...

Profundamente verdadeiro em suas correntes e ondas...

Cintilante nas lágrimas altas...

Cintilante nas profundezas da tristeza...

Um excelente poema, brilhante, vivo e que enfoca a Grande Dor D'Alma! Parabéns ao ganhador do concurso!

Ana Kaya disse...

Fiquei arrepiada juro. Nossa que linda, realmente mereceu ganhar.
Intensa, fatal, real, cruel, fatal.
Amei de paixão.

Parabéns realmente, vc mereceu o primeiro lugar.
meus aplausos, bravo.