sexta-feira, 6 de março de 2009

Despedida






Senhor,

a tarde cai
sob a palidez
da névoa

das coisas que construístes.

Cortei
os pulsos
e os desvarios

que plantei,
sombria,
na aridez da terra

triste.

A culpa não é minha

tu me fizestes de carne,
vento e sangue, neblina.

e tudo isso me dói.

Dores muito maiores
que esse vermelho que berra.

Eu não pedi coração
Menos ainda, para ser eterna.

Se me querias
Vulto de dor para posteridade

Poderias ter me feito pedra.


(Jessiely Soares)

Um comentário:

VarkeL disse...

Muito belo este poema reflexo da tristeza...
Saude!