sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Amor de Carnaval




Na sala de reuniões do Colégio Francisco de Assis dois professores se encontram após o feriadão:
-Marina,  minha linda, não gostou do carnaval? Parece tão triste...
-Um Arlequim  morreu pelo amor de uma Colombina ontem. Uma lástima!
-Lá vem você com seus livros. Quem disse que Arlequim morre pela Colombina? Que eu saiba, ele fica chorando apenas...
-Seu grosso, insensível! Não sabe de nada! Todo carnaval um Arlequim morre pelo amor de uma Colombina, sim!
-Calma! Cada louco com sua mania, melhor não contrariar, pensou o rapaz. Se você diz que morreu eu acredito! Deu uma sonora gargalhada e saiu da sala.
 Dessa vez quase  não tinha conseguido terminar o serviço.
_Você me deu um trabalho garoto!  Falou com seus botões.
A moça abriu a janela e fitou o horizonte recordando o dia anterior.

Os olhos fixos e avermelhados imploravam por ajuda. Parecia um choro sem lágrimas, um último pedido de um moribundo, um grito no escuro...
_Calma. Logo a dor passa. Não se agite! Prometo ficar contigo até o final.Quer que segure sua mão?
A moça estava ajoelhada ao lado do rapaz. Parecia uma deusa com aqueles olhos azuis e pele acetinada. Usava um shortinho branco e transparente, deixando a mostra um minúsculo e alucinante fio dental preto, detalhes que fizeram o rapaz não desgrudar mais desde que a vira no salão do clube naquela terça de carnaval.
-Isso!  Relaxa...
O rapaz estava amontoado no chão do banheiro feminino, a moça ao seu lado com suas pernas grossas por sobre sua barriga. O barulho dos músicos agora soava infernal! Tinha os braços paralisados, a cabeça doía, na boca uma espuma branca escorria e um tremor aumentava a cada segundo. A voz sumira, queria gritar por socorro, mas era como se tivessem cortado suas cordas vocais. Precisava ser socorrido. Parecia uma overdose de alguma droga, não era apenas álcool, nem tinha bebido tanto! Claro! Ela devia ter colocado algo em sua bebida...Meu Deus! Mas por que não o socorria? E por que parecia se divertir com a situação? Não percebia que estava morrendo?

-Vamos meu lindo...Não tenho a noite toda. Morra de uma vez. Acho que precisa de mais uma dose...Abriu a bolsa e ele desmaiou. A última lembrança foi de um sentimento de desespero por saber que ia morrer. Tinha caído num truque tão macabro! A moça era linda! Como ele ia adivinhar que era doida?

No dia seguinte:

-Cara, fica calmo! Você está bem agora!Tudo vai ficar bem.
Seu amigo o consolava na cama do pronto socorro.
-Mas...E ela?
-Fica sossegado, se existiu alguma moça já foi embora...
-Não acredita em mim não é? Eu juro que falo a verdade!
-Encontramos você no banheiro feminino encharcado de álcool e sabe-se lá o que mais... O importante é que foi socorrido a tempo, podia ter morrido véio!
-Não tinha uma moça comigo?
-Cara! Tinha muita mulé ao seu lado, parecia um príncipe árabe no céu,  ao lado das 70 virgens! Deu uma gargalhada.
-Era uma doida..A moça tentou me matar...
-Claro, claro...Agora fica quietinho ou essa agulha sai do seu braço. Para de se agitar!
-Ela tentou me matar cara...
-Tudo bem, já passou. Amor de carnaval cara, violento mas passa logo. Fica frio...

-Dormiu...Quanto tempo vai durar a alucinação doutor? Ele diz que alguém tentou matá-lo.
-Vai dormir o resto do dia. Logo estará bem. Não se preocupe, pode ir. A noiva vai cuidar bem dele.
-Noiva? Ele não tem noiva.
-Não? Eu podia jurar que...Bom, noiva, irmã, vizinha, sei lá... Alguém da família já telefonou e está vindo. Pode ir tranquilo.
-Engraçado, eu não avisei ninguém... Ele deve ter ligado. Melhor assim.
-Eu vou sim, boa noite doutor. Obrigado por tudo.


--
Me Morte
(01/03/2011)

7 comentários:

Abismo do Obscuro disse...

O texto é interessante, mas as partes finais não deram tanta conclusão de quem era a moça e o que ela realmente queria.

Melissa disse...

Concordo. O final não ficou muito claro, mas é bom.

Adroaldo Bauer disse...

Calma. gente. Calma. Suspense é mesmo assim. A noiva estará de volt em breve. Talvez numa reiviou no próximo carnaval.
Bela trama, bela dama.
Beijo.

Allan Vidigal disse...

tem nada que ficar claro, oras! Tá bacanão assim.

Me Morte disse...

O conto de suspense tem sempre que terminar com uma dúvida, não acho legal explicar demais, limita o leitor no seu exercício de pensar.
Mas essa é a minha opinião, claro, não é lei.
Obrigada pelas leituras.

Anônimo disse...

Hey,

Thanks for sharing the link - but unfortunately it seems to be down? Does anybody here at www.valedassombrasmemorte.blogspot.com have a mirror or another source?


Thanks,
James

Me Morte disse...

Mirror? Link below? I honestly do not understand what he said.