quarta-feira, 19 de maio de 2010

MEDO DEVORADOR



MEDO DEVORADOR


Ía pela rua, sentava na calçada,
do outro lado olhava-me.
Descalço, fingindo-se de mendigo,
estava ali
procurando-me.
O que queres medo?
Por que penetras meu espaço?
Invades minhas noites?
Torturas minha paz?
Responde o desgraçado.
Por que sou teu outro lado!
Pego minha lança,
com lágrimas escorrendo,
cravo um punhal, e mato.
Mato um pedaço meu,
mato o que não quero.
Mato meu terror!
Olho pro chão e no sangue escorrido,
toco o diamante azul.
Pego
implanto-o no peito!




**Gaivota**



* * * * *

Um comentário:

Me Morte disse...

Sentimento assustador! Belo poema!