terça-feira, 15 de junho de 2010

NOTÍVAGOS SONHOS



NOTÍVAGOS SONHOS
‘povoam a noite enorme’
Thiers R >





Sob teus cacos amanhece o rebanho
sonhos de uma noite sólida
onde a ventania adormeceu
e guardou
mais esta dor
estavas em casa
quem sabe, erguendo a asa...
divina expressão de um relógio
que errava momentos
direi:' - por favor perde a razão!'
balança o tempo na parede do vento
permite que o silencio
acanhado ao verbo
dilua todas as partidas
abra todas as chegadas
acordando’ trem que
preenche a pequenez
desta “noite enorme”
no arrepio dos instantes
nos gemidos dos amantes
derramados na garganta
vejo-te carregando’ trem
que povoa a “noite enorme”
meu relógio
desce em liquido cristal
encima da mesa
ritmo cardíaco
íngreme palatino
entorpece a alma
dilata desejos
ocupa “ enorme noite”
dentro da pequenez
descalço piso farelos
alinhavados n’alma
onde espinhos ferem mãos
saiba Fernando
também vivo dos escombros
liquido traço da alma
penso na tua frase
por dentro da pele rasa
fustigada de ilusão
abraço o cheiro das rosas
tristes rosas dos escombros
que agora perfumam meus sonhos



(de poeta para poeta, redes’cobrindo Fernando Pessoa)



> > > > > >

2 comentários:

** Gaivota ** disse...

Meu querido Thiers, particularmente já amo Fernando Pessoa e acompanhado de seu pensamento amo mais ainda. Está parte torna o poema fabuloso.

".....' - por favor perde a razão!'
balança o tempo na parede do vento
permite que o silencio
acanhado ao verbo
dilua todas as partidas
abra todas as chegadas
acordando’ trem que
preenche a pequenez
desta “noite enorme”............"

Me Morte disse...

Só pode ser ousado quem tem competência e talento para tal e vc meu caro, transborda as duas qualidades, parabéns!
Beijos