quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Necrópole

Necrópole,
lar dos justos
Necrópole,
onde moram os rejeitados,
melancólicos
que um dia foram insultados

Justos,
mantém acesos a luz da esperança
pelo intricado problema (a vida)
Tão complexo
quanto um poema

Necrópoles,
fadário dos necrófilos
que os buscam
com a finalidade
de satisfazerem sua
concupiscência
E agem com pressa
sem piedade nem paciência

Cemitérios são,
na verdade,
lugares imundos
onde os mortos
vão em direção
de um poço sem fundo

Cemitérios não são
fatídicos,
ao contrário da
mente humana
que cria mitos
envolta de
fatos verídicos.


Renan Aranha

4 comentários:

Me Morte disse...

Boa estreia Rnan. Teu poema é muito bonito. Sombrio e bem feito, combina com nosso blog.
Espero que curta o Vale!

Renan Silva disse...

Obrigado! Fico feliz por saber que a agradei. E espero escrever mais que vcocê curta.
Abraço

Anônimo disse...

Olha meu bebe do fundo do coração desculpe falar isto... Eu amei amei amei é lindo nossa não sabia que rockeiros revoltados tinham este lados poéticos parabéns.

Anônimo disse...

É a Vitoria que fez o comentario de cima tá só pra vc saber. Te amo e parabéns pelo seu talento. Te amo MUITO MUITO....