segunda-feira, 28 de abril de 2008

Soneto


No riso escandaloso fugiste da solidão
na calma do teu espanto fez-se canto
fez-se de um pranto amor no meu coração
e dos olhos silenciosos chama sem ilusão.

Quem sabe tua boca fez de mim amante
quem diria tua boca um recanto constante
de repente acordo em lágrimas reunidas
de repente nuvens doces envolvem nossas vidas.

De tal anjo que jugaram-te és humana
és amor em primeiro lugar sem ser soberana
O seio genitor e delicado como uma bruma branca.

olhares cruzando-se leve e sem malícia
apenas me goste em milhões de tons sonoros
E sinceramente és minha face nos teus olhos.


Por Emerson Sarmento.

5 comentários:

Flor disse...

Muito lindo o texto!
bjos

Ana Kaya disse...

Emerson xerosu, que lindo, fiquei emocionada.
Vc é muito romântico e sensível.
Adoro seus textos, sempre.
Você é um dos meus ídolos eheheheh.

Parabéns, sem mais palavras, elas não vão descrever as sensações...

Te adoro menino, meu amigo querido.
Mil cheiros pra vc.

Emerson Sarmento disse...

-

Ana como sempre...
Obrigado pelo carinho!!
Um xeruu bem arretado pra tu!

Aryella disse...

meu amigo escreve muito bem, na moral, eu já tinha visto esse poema antes mesmo... é lindo adoro as comparações que tu faz, bem fantasia.
a foto do olho da mulher tá muito linda também pô :O demais...
beeeeijo.

jessica disse...

Simplismente...

Profundo!!!