sábado, 25 de abril de 2009

SANGUE CAMBALEANTE



SANGUE CAMBALEANTE
** Gaivota **




Este sangue

que derrete

a torturante

miséria humana

este sangue que

pulsa

cambaleante

na calçada da vida




Este sangue

derrama-se

nas taças

e nos jardins

este sangue

esvai-se

dentro de mim





* * *

Um comentário:

Me Morte disse...

meu pássaro azul anda mais gótico do que nunca, um belo poema triste...lindo!