quarta-feira, 21 de outubro de 2009

MERGULHAR SEGREDOS



Sombria noite que de mim se esconde
revele-me meus desejos
que respingaram do tempo
perdendo-se em seu negrume.

Permita-me penetrá-la,
fundir-me em suas obscuras certezas
e navegar suas profundezas
junto às mais rasas de minhas dúvidas.

Queria saber o segredo do claro que oculta
e a razão desta teia que me prende ao dia.

Preciso entender porque as estrelas estão se apagando
e os sonhos me abandonando.

Deixe-me mergulhar suas trevas
para que eu possa descobrir a saída.

E não me prive de uma nova chance de ver o brilho na escuridão.

Sombria noite que de mim se esconde,
esqueça que não sou mais menino
e não a temo mais.

Devolva minhas fantasias.


(Celso Mendes)

2 comentários:

Me Morte disse...

Celso, primeiro, obrigada por aceitar meu convite. Sua presença aqui faz grande diferença!
Seu poema é muito triste, perfeito para o Vale.Boa estreia!

FláPerez (BláBlá) disse...

que final lindo! q coisa mais triste!