segunda-feira, 5 de abril de 2010

Boa Páscoa

- Eis aqui meu corpo ao azeite e ervas finas.

- Eis aqui meu sangue cabernet sauvignon.

Compra menos bacalhau, tá muito caro,
divide tudo, volta ao básico
ou cala a boca e para de fingir que se importa, "irmão"!

Qualquer luxo é assassinato,
e em cada semáforo,
outra cruz, outro espinho, outro cravo.

Tudo que Ele fez jogado aos porcos
que usam peles e pérolas nos pescoços.

6 comentários:

Me Morte disse...

Não é apenas forte, é vergonhoso que exista...Uma situação que todos sabemos existir, mas que nunca olhamos tão de perto quanto essa foto nos mostra.

Flá Perez (BláBlá) disse...

fiquei tão péssima qdo vi, que fiz o poema.
bjbjbj

Adroaldo Bauer disse...

Vi ontem um bicho
Na imundice do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa;
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

Rio, 27 de dezembro de 1947

Manuel Bandeira

Glauber Vieira disse...

Muito bom o texto; essa foto escolhida então, matou a pau.

Ana Kaya disse...

Maravilhoso, este foto vale mais do que milhões de palavras.
Seria lindo se todos pudessem ter a mesma oportunidade na vida.
Parabéns.

Flá Perez (BláBlá) disse...

poxa Adroaldo, tinha esquecido desse...é foda de bom!


Valeu Glauber1 bjbjbj


Obrigada Ana, tbm acho isso.
bjbjbj