quinta-feira, 15 de abril de 2010

SONS DO SILÊNCIO



SONS DO SILÊNCIO
Thiers R >



Seguia passos

caminhos de noites frias

asfixiando templos

vazias ruas

gritavam

estou aqui sem pudores

estou aqui

como larva a farejar

tua pele

abro-me em desejos

no acaso de teu corpo

brota a loucura

as’pirar vagina

varar esquinas

sus’pirar silêncios

ouvia-me

capturando paisagens

suava

na neblina espessa

parado

ao lampião

a vi

os sapatos vermelhos

no chão

os dedos

em meus ombros

puxando-me

ao encontro dos

beijos.




> > > >

Um comentário:

Me Morte disse...

Esses meninos estão cada vez mais sombrios, mais poéticos, mais Vale...lindo!