sábado, 23 de outubro de 2010

†...Navega.DOR...†



Meu íntimo é uma voragem profunda
Um abismo cinéreo contornado por rochas
D´onde mia lívida face macambúzia
S´apaga defronte o archote de mia tocha

Em meu coração há um roto obscuro
D´onde as mazelas s´infiltram em languidez
Guarnecendo as artérias em toques imundos
Azáfama mortalha a encobrir mia insensatez

Navego em blindagem, todo vendado
Num oceano d´águas turvas e viscosas
A.DOR.mecido num temor exagerado
Na implacidez desta vida tormentória

Cá presente neste meu frívolo reinado
Deveras quimérico sigo a rota prateada
D´ond´a luz da cheia lua arraigada
Se perd´em meu imo desconsertado

Esmaecido às intempéries marmóreas do coração
Suturo em partes vivas, os músculos de mia dor
Saboreand´o sangue de mia reles imensidão
Em sôfregas incisões e extremo grito de furor

Por quais venturas percorre o meu sol?
Entre candeias luzidas não o vejo mais doirar
Por quais oceanos despenc´o meu arrebol?
Entr´o negrume celeste e a´urora, findo-m´a um ergastular

por TIAGO TZEPESCH

4 comentários:

Me Morte disse...

Boa estreia Tiago! Muito bom!la

‡Ånjo Sidéreo‡ disse...

obrigado Me!!
Agradeço demais pela oportuniade!!
Beijos!

Fernández ♠♠ disse...

Na dor tudo parece mesmo escuridão.

Muito bom!
http://terza-rima.blogspot.com/

Let's disse...

Gostei...dos jogos de palavras...humm gostei de tudo ...parabéns! boa semana!