domingo, 21 de novembro de 2010

Esconderijo


neste agora
em que as asas me pesam
o rastro se perde
o chão me abandona
dispo-me das cores
e me acomodo na solidão

deste escuro que busco
queria uma calma
que não me alcança

desta luz que renego
permanecem sombras
que não consigo apagar

em minha mudez
guardo o silêncio do mundo

fecho os olhos
junto cinzas
refaço-me lentamente

um dia volto

(Celso Mendes)

5 comentários:

Jefferson disse...

esconderijo de todos nós.

Let's disse...

inquietação...quem não as tem? renascemos todos os dias...

Celso Mendes disse...

Obrigado, Jeferson!

É isso mesmo Let's...


Abraços!!!

Me Morte disse...

Volte sim, mas volte sempre! Perfeito!

Celso Mendes disse...

Obrigado, Me... Voltarei!