quinta-feira, 21 de julho de 2011

Uma história de Rita

      No pequeno quarto fechado e mal iluminado, a luz do abajur vermelho pesava sobre o ar quente e abafado. Flutuava um acre de suor e sexo. A romper a solidão, um arfar de corpos entrelaçados atingia seu êxtase. Em seguida, o silêncio da exaustão.
      O amanhecer se desejava entre tímidos feixes de luz que traspassavam as brechas da veneziana de madeira mofada. Trazia o frescor das ervas daninhas do quintal e amenizava a densa atmosfera do quarto. Uma brisa nos cabelos da velha prostituta adormecida de bruços descobriu-lhe o olho direito, que, no descerrar de suas pálpebras, pode vislumbrar os lábios cianosados e a pele marmórea do seu velho e costumário cliente; percebia que seu habitual e intenso roncar se transformara numa silenciosa e definitiva apnéia. Levantando-se vagarosamente, fitou o corpo obeso e frio sobre sua tão frequentada cama e constatou que dera o último momento de prazer ao calado homem que a visitava toda terça-feira, infalivelmente, para comprar o que a vida não mais lhe proporcionava.
       Com a serena sensação de dever cumprido, Rita pegou o telefone e chamou uma ambulância.

3 comentários:

Nina Pilar disse...

Amigos um belo dia do amigo pra vcs... na musica do milton nascimento e fernando brant a belíssima _Canção da América_, nada pode representar melhor um amigo e a sua importância...

Canção da América

Amigo é coisa pra se guardar
Debaixo de sete chaves,
Dentro do coração,
assim falava a canção que na América ouvi,
mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
mas quem ficou, no pensamento voou,
com seu canto que o outro lembrou
E quem voou no pensamento ficou,
com a lembrança que o outro cantou.
Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito,
mesmo que o tempo e a distância, digam não,
mesmo esquecendo a canção.
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
Pois, seja o que vier,
venha o que vier
Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar
Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

depois disso é esperar que nossos corações emocionem-se com nossas amizades como emocionamo-nos qdo ouvimos esta declaração de amor, tão maravilhosamente interpretada na voz do meu querido milton nascimento.

e esperar que cada um de nós escute o que fala o nosso coração...ate pq tudo que eu queria dizer eles já falaram, faço minha a voz deste gigante da nossa musica.

beijinhos queridos um belo dia do amigo todos...
Rascunhos2

Dolce Vita disse...

Os últimos momentos de um homem testemunhados por aquela que, talvez, tenha sido a única a dar-lhe paz além da satisfação do desejo.

Excelente minimalista.

Beijo

Me Morte disse...

Caramba! A gente quase que imagina todo o recinto! Lençóis, paredes, cheiros...Uma descrição perfeita!
E o sentimento? Um casal se completando, uma profissional afastando a solidão de um cliente; um cliente dando a sensação de utilidade a uma prostituta...Quase um casal de velhos que passou a vida cuidando um do outro...
muito bom!